COBERTURA DO MERCADO DE FLORIANÓPOLIS

premiação: finalistas

autores: bernardo horta, giulianno caliman, guilherme josé, henrique amim e  pedro lodi

local: florianópolis/sc

ano: 2013

O Mercado Público apresenta-se como importante patrimônio da cidade de Florianópolis, não apenas por sua composição estilística e histórica, mas também e principalmente, por seu componente simbólico de identidade espacial. Como seus similares presentes em diversas outras cidades litorâneas brasileiras, o Mercado de Florianópolis é pólo cultural por essência, condição alcançada pela presença de exemplares materiais e humanos típicos e naturalmente diversificados. 

A constância da produção cultural no Mercado e sua intrínseca transformação - em associação às transformações da sociedade - relaciona-se dicotomicamente com a estabilidade da imagem espacial da edificação. Sobre tal imagem apoia-se a memória coletiva da cidade, baseando-se na expectativa de que a perenidade da forma arquitetônica permita uma reconstrução do passado no presente e, assim, atue como ícone de segurança e identificação. Contraditoriamente à preservação da forma, o Mercado de Florianópolis vem comportando significativa flexibilidade de usos, com incorporação das funções de lazer, permanência e alimentação à atividade primária de comércio.

A versatilidade funcional histórica é, inegavelmente, aspecto primordial na manutenção do mercado como espaço vivo ao longo dos anos e na sustentação de sua importância no contexto urbano e social. A intervenção que é objeto deste estudo -  cobertura do vão central do Mercado Público de Florianópolis - pretende, nesse sentido, potencializar a capacidade de o mercado ser espaço apropriável por atividades não originais, mas que foram incorporadas pelos usuários; sem que a fruição de transeuntes, imprescindível a um local de comércio, seja descaracterizada ou dificultada.

O reconhecimento dos usos e apropriações que se manifestam no Mercado, bem como das previsões de reforma e qualificação infraestrutural para o vão central, orienta as propostas de intervenção, segundo estratégia projetual que consiste na manutenção da dualidade cheio/edificação preexistente X vazio/vão central, em conformidade com a diretriz de proposição de uma cobertura translúcida. A esbelteza estrutural e a escolha de materiais compatíveis com a proposta minimalista complementam o prédio histórico e evitam a competição com o bem tombado.

A edificação da proposta baseia-se na valorização da fruição do mercado como foco principal, que dá ordem à estruturação da cobertura. A vedação do vão central é montada sobre modulação rigorosa de 865cm por 750cm metros em pilares metálicos tubulares de seção circular DIÂMETRO 25cm, inclinados em 10° graus em relação ao solo. Tais estruturas estão concentradas no limite determinado pela pavimentação de piso, definida em projeto de restauro já aprovado. Essa disposição promove significativa potencialização dos usos destinados a cada eixo (trecho central para permanência e trechos laterais para circulação), mantendo-os, entretanto, perfeitamente integrados tanto visual quanto fisicamente. Esse arranjo favorece, portanto, a distribuição das atividades de modo a preservar sua continuidade sobre a prevista diferenciação de pisos e ainda permite possíveis rearranjos na área de permanência, com agilidade e economia.

Nessa proposta, tanto o vão central quanto a construção que o envolve e delimita orientam-se por repetições modulares sequenciais, representadas, respectivamente, pelos pilares da cobertura central e pelas portas dos boxes do mercado. A regularidade desses elementos promove a percepção de um eixo de visada em direção às torres e pontes que localizam-se nas extremidades das alas do mercado. Além da pregnância, essa visada apela para a memória coletiva dos cidadãos de Florianópolis, ao relativizar o emolduramento e a continuidade presentes no Memorial do Miramar, outro ícone do patrimônio florianopolitano. A relativização apresenta-se, no caso, através da preocupação com a amplitude do campo visual dos frequentadores do mercado. Para alcançar o objetivo da majoração da permeabilidade visual, foram adotados pilares de seção circular e esses foram inclinados na direção da edificação preexistente, potencializando a ocupação do eixo central do vão.

PRANCHA_02 (SITE).jpg